Behaviorismo – O que é? Resumo, Tipos, Conceito e Origem


O termo Behaviorismo tem suas origens no inglês, onde behavior = comportamento ou conduta. Dessa forma, os estudos behavioristas tem como objeto de estudo o comportamento. Para saber mais sobre este assunto, confira nosso post.

No que consiste o Behaviorismo?

Trata-se de uma área que, juntamente com a psicanálise e a Gestalt, está entre as principais correntes da psicologia, opondo-se ao estruturalismo e ao funcionalismo.

Publicidade

Os estudos behavioristas abordam o comportamento como uma forma reacional e funcional dos seres vivos, sendo que esta linha da psicologia não considera qualquer associação com aspectos transcendentais, introspectivos ou filosóficos, dedicando-se exclusivamente ao estudo de comportamentos objetivos possíveis de serem observados.

O foco da teoria behaviorista é o meio que envolve o indivíduo, sendo possível prever e controlar o comportamento humano.

Surgimento do Behaviorismo

Os primeiros estudos dessa teoria foram divulgados no ano de 1913 por meio do artigo “Psicologia: como os behavioristas a veem”, de autoria de John Watson (considerado o pai do Behaviorismo Metodológico). No ano de 1914, em sua obra “Behavior”, John Watson abordou novamente os conceitos da psicologia a nível comportamental, tendo como base autores como Comte, Pavlov, Loeb e Descartes.

Skinner e o Behaviorismo Radical

Burrhus Frederic Skinner, um dos autores mais renomados da área da psicologia, defendia a tese de que o ambiente consiste no principal responsável pelo comportamento humano, sendo precursor do chamado Behaviorismo Radical, distanciando-se um pouco dos conceitos iniciais trazidos por Watson.

Os estudos de Skinner são absolutamente contrários a qualquer elemento não observável para a explicação do comportamento humano, contemplando apenas os estímulos oferecidos ao indivíduo pelo ambiente, que reforçam um comportamento positivo ou negativo.

Contribuições do Behaviorismo

Para a educação

Os estudos behavioristas trouxeram grandes influências para a área da educação. Para John Watson, a educação consiste em um dos principais elementos transformadores quanto ao comportamento dos indivíduos, sendo possível “moldar” o comportamento das crianças de modo que elas possam, futuramente, exercer adequadamente uma profissão.

Para as empresas

Devido a essa teoria, passou a ser comum que as empresas estudassem formas de intervir de maneira positiva no comportamento dos colaboradores no ambiente organizacional, fornecendo reforços ambientes para que eles alcancem de forma espontânea os objetivos e metas traçados pela organização.

Outro exemplo da aplicação do Behaviorismo nas empresas consiste na prática de seleção por competências, adotando também modelos de aprendizagem que reforçam o comportamento positivo dos colaboradores (treinamentos, cursos, procedimentos internos, cultura organizacional etc.).

Da mesma forma, o estabelecimento de remuneração variável e por competências são de certa maneira dependentes do comportamento humano e de como os colaboradores repondem aos reforços positivos emitidos pela empresa.
O estudo dos fatores motivacionais que influenciam positivamente no comportamento e desempenho dos colaboradores é outras as “heranças” dos estudos behavioristas, sendo esses conceitos até hoje aplicados em inúmeras empresas.

Para a área da psicologia

Até mesmo nas clínicas psicológicas, a abordagem behaviorista é de grande ajuda para ajudar na compreensão de quanto o ambiente externo pode interferir no comportamento dos indivíduos.

Durante as sessões terapêuticas, obviamente os profissionais consideram fatores ambientais que estão além da escola e das empresas, analisando também o âmbito familiar e social dos indivíduos.

Principais críticas ao Behaviorismo

Tanto os estudos behavioristas de Watson quanto os de Skinner foram alvo de várias críticas. Entre elas, as que mais se destacam são:

– As teorias behavioristas ignoram os processos afetivos e cognitivos, deixando de considerar a subjetividade e particularidade de cada indivíduo;
– A análise behaviorista compreende o ser humano como um ser passivo diante do meio, excluindo em grande parte a própria interferência que o indivíduo exerce no meio;
– Os estudos behavioristas também não consideram os fatores comportamentais intrínsecos (aqueles que não dependem do ambiente), fazendo com que esta análise fique de certa maneira limitada a determinado contexto.

Autores behavioristas mais influentes

– John Broadus Watson;
– Joseph Wolpe;
– Conwy Lloyd Morgan;
– Albert Bandura;
– J.R Kantor;
– Ivan Pavlov;
– Burrhus Frederic Skinner;
– Clark L. Hull;
– Edward C. Tolman.

Principais livros sobre Behaviorismo

– Compreender o Behaviorismo – Comportamento, Cultura e Evolução (William Baum);
– A Análise do Comportamento (J.G Holland e B.F Skinner);
– Os Princípios Básicos de Análise do Comportamento (Márcio B. Moreira).

Embora exista algumas críticas com relação ao Behaviorismo, essa teoria não deixa de ter sua grande importância em diversas áreas do comportamento humano, sobretudo para a educação e administração de empresas, sendo ainda considerada uma das principais abordagens da psicologia.

Imagens: euax.com.br / cursoacesso.com.br

Publicidade