Educação Financeira Familiar e Profissional – A Habilidade Essencial Para Prosperar


De forma geral, educação financeira consiste na aquisição de uma melhor compreensão no que diz respeito a como lidar adequadamente com o dinheiro, seja no âmbito pessoal ou empresarial.

Para que seja possível entender um pouco mais sobre a importância desse aprendizado, iremos abordar alguns aspectos que ajudarão bastante a como saber lidar melhor com o dinheiro. Acompanhe.

Publicidade

Educação financeira – A aquisição de bons hábitos.

O desenvolvimento da educação financeira passa primeiramente pela aquisição de novos hábitos de consumo, fazendo com que os indivíduos e empresas sejam mais conscientes na hora de comprar.

Infelizmente, as estatísticas brasileiras apontam que grande parte das famílias estão excessivamente endividadas com cartão de crédito, cheque especial etc, sofrendo os terrores de pagar os juros mais altos do mercado.

Exatamente por isso, os especialistas na área de finanças recomendam a urgência das pessoas começarem a rever seus hábitos, evitando o endividamento com juros altos.

A importância de estabelecer metas

O ditado é antigo, mas sempre é preciso lembrar: “O dinheiro ganho em um mês pode ser gasto em um minuto. ” Exatamente. A rapidez com a qual se ganha dinheiro é muito inferior à que se gasta.

Por isso, diante de um processo de endividamento ou até mesmo para quem deseja começar a fazer pequenas reservas financeiras, é preciso trabalhar com metas pequenas e alcançáveis.

O mais conhecido consultor financeiro do Brasil, Gustavo Cerbasi, recomenda que no caso de famílias ou empresas que enfrentam dívidas, o ideal é começar a saudar ou renegociar aquelas nas quais incidem as maiores taxas de juros.

Em segundo lugar, dentro do possível, deve-se buscar saldar as dívidas menores. As prestações assumidas em uma renegociação ou quitação de uma dívida devem sempre caber no orçamento, do contrário o planejamento irá fracassar.

A cultura da educação financeira na Escola e entre os Jovens

Infelizmente, o Brasil ainda está dando os primeiros passos rumo à aquisição da habilidade em lidar com dinheiro. Nossa característica de passionalidade e imediatismo interfere drasticamente na forma de utilizarmos nossos recursos financeiros.

É indispensável que antes de comprar algo, os indivíduos sempre se façam a seguinte pergunta: “Eu realmente preciso disso? ”

Muitas das vezes acabamos comprando por impulso e pagamos um preço bem caro por isso, comprometendo nossa saúde financeira por meses.

Algumas dicas para começar a lidar melhor com o dinheiro

educacao-financeira_3

Além dos tópicos abordados acima, decidimos preparar algumas dicas diferenciadas e bem práticas para ensinar a desenvolver no dia a dia o senso de educação financeira.

Limite pessoal para uso do cartão de crédito

Quanto ao uso do cartão de crédito, um dos erros mais comuns cometidos pelas pessoas é considerar o limite do banco e não o da sua renda, gerando um valor de fatura muito superior às possibilidades financeiras de cada um.

Para evitar isso, os especialistas recomendam que de acordo com a renda mensal, se estabeleça um limite pessoal para uso do cartão, não passando de 15% do valor da renda.

Supondo uma renda mensal de R$2.000,00, o ideal é assumir uma parcela mensal no cartão de no máximo R$300,00.

Atentar-se para os Juros

Ao fazer empréstimos ou financiamentos, muitas pessoas desconsideram a taxa de juros cobrada no contrato. É indispensável antes de assinar o contrato, analisar com calma os valores cobrados e compará-los com as demais opções oferecidas pelo mercado, buscando sempre aquelas que são mais baratas.

Fuja do “crédito fácil”

Há uma infinidade de financeiras bradando aos quatro ventos que oferecem empréstimos sem consulta ao SPC e SERASA. O primeiro passo para ter uma boa educação financeira é ser realista quanto ao crédito.

O grande problema é que os juros cobrados por eles são um dos mais altos do mercado. A regra no sistema financeiro é simples: Quanto maior o risco de inadimplência, maior a taxa de juros embutida.

Logo, pelo fato dessas empresas não fazerem essas consultas, os juros cobrados são bastante elevados, podendo prejudicar ainda mais as finanças de quem já está numa situação complicada.

Jamais se deve fazer uma dívida para cobrir outra, o melhor é sempre buscar renegociar a juros baixos diretamente onde ela foi originada.

Para quem deseja saber mais sobre educação financeira, basta continuar acompanhando nossos conteúdos e também buscar estudar e se informar mais sobre o assunto. São oferecidas inúmeras informações na internet. Cuide bem do seu dinheiro.

Imagens: blog.sajadv.com.br; dinheirama.com

Publicidade

Isso pode te interessar: