Síndrome de Burnout – Seus Sintomas e Tratamentos – O que é?


Nas últimas décadas, devido ao aumento da competitividade entre empresas e colaboradores, infelizmente tornou-se cada vez mais comum o aumento da incidência da chamada Síndrome de Burnout, a doença que afeta milhões de profissionais no mundo todo. Por conta da seriedade do assunto, é preciso considerar algumas questões acerca dessa síndrome.

O que á a Síndrome de Burnout e quem está propenso a tê-la?

Esta síndrome consiste em um esgotamento profissional ocasionado por um nível de estresse crônico ou episódios contínuos de grande tensão emocional, provocado por situações de trabalho altamente desgastantes. Basicamente, esta síndrome atinge principalmente pessoas que atuam de forma mais direta com o público.

Publicidade

São mais propensos de aquisição desta síndrome os profissionais da área da educação (professores), saúde (médicos e enfermeiros), recursos humanos, serviço social, jurídica (advogados), jornalística, polícia, estudantes e bombeiros.

Quais são os principais sintomas?

sindrome-de-burnout_1

Os especialistas mencionam que a Síndrome de Burnout apresenta vários sintomas, que na fase inicial são facilmente confundidos com depressão.

Exatamente por esta razão, é preciso uma avaliação bem detalhada para fazer o diagnóstico correto.

Um dos primeiros sinais é a mudança de comportamento. As vítimas dessa síndrome, devido ao grande esgotamento físico e emocional, começam a apresentar agressividade, isolamento, significativas mudanças de humor, irritação, baixa concentração, memória fraca, ansiedade, tristeza e profundo abatimento.

Quanto aos sintomas físicos da Síndrome de Burnout, os pacientes portadores da síndrome de forma geral sofrem de dores de cabeça, enxaqueca, cansaço excessivo, hipertensão, palpitações, insônia, distúrbios cardiovasculares, respiratórios e gastrointestinais etc. Em alguns casos, as mulheres apresentam alterações no ciclo menstrual.

Tratamentos para a Síndrome de Burnout?

Após o correto diagnóstico da Síndrome de Burnout, os tratamentos recomendados por médicos, psicólogos e psiquiatras incluem terapia, uso de medicamentos antidepressivos, prática regular de exercícios físicos e técnicas de relaxamento ou meditação.

Entretanto, acima de tudo, é imprescindível que o paciente esteja disposto a fazer uma drástica mudança de vida, tratando a causa e não os efeitos desta síndrome.

Desta forma, neste momento crucial, é indispensável repensar a carreira profissional e também os hábitos de vida como um todo, o que inclui a alimentação, qualidade do sono, vida social etc.

Procure um médico!

Como os profissionais podem se prevenir?

Pela necessidade de trabalhar e devido à correria do dia a dia, é bastante comum que os principais sintomas da Síndrome de Burnout acabem passando despercebidos e só são identificados em um momento de extremo estresse.

Para fazer um diagnóstico precoce, evitando que os danos à saúde física e mental se agravem, é imprescindível que os profissionais fiquem atentos, buscando ajuda médica ou terapêutica ao observarem que estão sentindo com maior intensidade um ou mais dos sintomas acima.

É bastante importante enfatizar que esta síndrome, ao contrário do que muitos pensam, não é “frescura”, mas sim, um problema que já é considerado questão de saúde pública, gerando inúmeros casos de afastamentos do trabalho.

Também é fundamental que os profissionais estejam sempre dispostos a passarem por um processo de autoconhecimento, buscando identificar até que ponto estão felizes com a profissão que decidiram seguir e se não seria o momento de pensar numa transição de carreira. Investir em momentos que proporcionem descanso e lazer também é fundamental.

Como as empresas podem contribuir para diminuir a incidência desta síndrome?

Por se tratar de um problema de saúde relacionado ao trabalho, cabe também às empresas buscarem alternativas no intuito de eliminar ou ao menos diminuir os casos de incidência da Síndrome de Burnout.

Para isso, as empresas poderão repensar a duração da jornada de trabalho, sobretudo nas áreas profissionais com maior incidência de colaboradores afetados pela síndrome.

As organizações também poderão atuar com campanhas que visem a prevenção e rápido diagnóstico no intuito de minimizar os impactos causados.

Outra excelente alternativa é disponibilizar um serviço especial de assistência médica e psicológica aos colaboradores, fazendo com que eles façam consultas periódicas.

Por parte das empresas, uma medida que ajuda bastante é buscar difundir uma cultura diferente, disseminando um espírito de cooperação entre as pessoas e não de competição. Muitas vezes, a excessiva competitividade nos ambientes empresariais pode causar sérios danos à saúde dos colaboradores.

Portanto, para diminuir a incidência da Síndrome de Burnout, é indispensável que profissionais e empresas estejam atentos quanto às causas que a gera.

Imagem: rdsradio.hn; sara.org.br

Publicidade

Isso pode te interessar: