Henri Bergson – Obras, Livros, Pensamentos e Biografia


Henri Bergson foi um filósofo e diplomata francês reconhecido por suas obras que até hoje influenciam no estudo de várias áreas. Para saber sobre cada uma delas assim como os pensamentos, frases e biografia dele, confira nosso post.

Quais são as obras e livros de Henri Bergson?

– Ensaios sobre os Dados Imediatos da Consciência (1889);
– Matéria e Memória (1896);
– O riso (1899);
– A evolução criadora (1907);
– Energia espiritual (1919);
– Filosofia francesa ( A Revista de Paris, entrega de 15 de maio de 1915, pg. 236 a 256);
– Duração e simultaneidade, sobre a teoria de Einstein (1922);
– As duas fontes da moral e da religião (1932);
– Pensando e Movendo (1934);
– Curso de psicologia de 1892 e 1893 no Lycée Henri IV, inédito da transcrição completa do curso.
– A mente criativa – Introdução à metafísica (1934).

Publicidade

Pensamentos de Henri Bergson

O pensamento de Henri Bergson consiste principalmente numa negação às teorias determinísticas que “coisificam” o homem por meio de abordagens filosóficas e científicas que desconsideram a dimensão espiritual e capacidade intuitiva do homem.

Entre os conceitos de Bergson destaca-se a afirmação de que a duração do tempo não pode ser compreendida unicamente por meio de uma inteligência lógica, mas também por uma análise qualitativa, na qual a duração do tempo e as experiências vividas são entendidas como uma ocorrência metafísica.

Este filósofo também é reconhecido pelos estudos abordando a interação entre a ciência e o conhecimento metafísico enxergando, como um todo, a existência social e o organismo físico. Algumas frases de Henri Bergson ilustram bem os conceitos defendidos por ele, que até hoje servem de referência para o desenvolvimento científico e filosófico:

“Nada é menos do que o momento presente, se entendermos por isso o indizível instante que separa o passado do futuro.”

“Falhamos ao traduzir exatamente o que se sente na nossa alma: o pensamento continua a não poder medir-se com a linguagem.”

” A ideia do futuro, prenhe de uma infinidade de possíveis é, pois, mais fecunda do que o próprio futuro, e é por isso que há mais encanto na esperança do que na posse, no sonho do que na realidade.”

“Tudo muda sobre um fundo de permanência.”

“A inteligência é caracterizada por uma incompreensão natural da vida.”

“O nosso espírito tem uma irresistível tendência para considerar como mais clara a ideia que mais frequentemente lhe serve.”

“A qualidade é a quantidade de amanhã.”

“O olho vê somente o que a mente está preparada para compreender.”

“A vida é um caminho de sombras e luzes. O importante é que se saiba vitalizar as sombras e aproveitar a luz.”

“Se consciência significa memória e antecipação, é porque consciência é sinônimo de escolha.”

“Escolher é excluir.”

“Pense como um homem de ação, aja como um homem de reflexão.”

“A contemplação é um luxo; a ação, uma necessidade.”

“Para ser consciente, existir consiste em mudar, mudar para amadurecer, amadurecer para se criar a si mesmo indefinidamente.”

Biografia de Henri Bergson

Henri-Louis Bergson nasceu no dia 18 de outubro de 1859 em Paris. Tanto o pai quanto a mãe de Bergson eram judeus, sendo que seu pai era polonês e sua mãe possuía origens inglesas. Ainda que tenha vivido alguns anos em Londres, ele retornou a Paris quando tinha 9 anos, cidade esta onde concluiu os estudos básicos.

Apesar da admirável habilidade de Bergson nos estudos científicos e de matérias exatas (como matemática), ele licenciou-se em Letras e iniciou suas atividades como professor em 1881 nas cidades de Angers e Clermont, retornando a Paris no ano de 1889.

Na capital francesa, Bergson se dedica ao ensino no Liceu 4º logo após doutorar-se em Letras na Universidade de Paris, posição esta que lhe rendeu excelentes frutos. No ano de 1901, Henri Bergson começa a fazer parte do Instituto de França e em 1914 recebe o convite para tornar-se membro da Academia Francesa. No ano de 1925, Bergson passa a sofrer de um reumatismo crônico que o deixou semi-paralisado.

Em virtude do sucesso quanto à publicação de duas de suas obras, “Matéria e Memória”, de 1896 e “A Evolução Criadora”, de 1907, Bergson conquista o Prêmio Nobel de Literatura em 1927. Devido às consequências do reumatismo, Bergson ficou impossibilitado de comparecer a Estocolmo para a entrega do prêmio.

Henri Bergson faleceu em 4 e janeiro de 1941 aos 81 anos de idade. Suas obras são até hoje estudadas por diversas disciplinas, especialmente literatura, cinema, bioética e neuropsicologia.

Imagens: thefamouspeople.com / nautil.us

Publicidade