Stefan Zweig – Obras, Livros e Biografia do Escritor


stefan_zweig

Stefan Zweig é sinônimo de múltiplos talentos. Escritor, poeta, romancista, dramaturgo, jornalista e biógrafo, ele deixou uma vasta obra que até hoje é lida e estudada por pessoas do mundo todo. Para saber quais são essas obras e quem foi esse grande escritor de origem austríaca, confira nosso post.

Quais são as obras literárias de Stefan Zweig?

1901 – Cordas de prata (poemas)
1904 – A filosofia de Hippolyte Taine (tese de doutorado)
1904 – O Amor de Erika Ewald (contos)
1906 – As Primeiras Grinaldas (poemas)
1907 – Tersites (drama de teatro em três atos)
1910 – Emile Verhaeren
1911 – Segredo Queimado
1911 – Primeira experiência. Quatro histórias de mundo infantil
1912 – A casa junto ao mar. Drama em duas partes e em três atos
1913 – O comediante se virou. Um jogo do rococó alemão
1917 – Jeremias – Poema dramático em nove cenas
1917 – Memórias de Emile Verhaeren
1918 – O Coração da Europa – Uma visita à Cruz Vermelha de Genebra
1919 – Lenda de uma vida (drama teatral em três atos)
1919 – Viagens – Paisagens e cidades
1920 – Três mestras: Balzac – Dickens – Dostoiévski
1920 – Marceline Desbordes – Valmore, a imagem de um poeta vivo
1921 – Romain Rolland. O homem e a obra
1922 – Carta de uma desconhecida
1922 – Amok. Histórias de paixão
1922 – Os olhos do irmão eterno. Uma lenda
1923 – Frans Mesereel (com Arthur Holitscher)
1924 – Os poemas reunidos
1925 – A monotonia do mundo (ensaio)
1925 – Ansiedade
1925 – A batalha com o demônio, Hölderlin – Kleist – Nietzsche
1926 – Ben Johnson ‘Volpone’. Uma comédia sem amor em três atos
1927 – O fugitivo. Episódio do Lago Genebra
1927 – Adeus a Rilke. Um discurso
1927 – A confusão de emoções. Três novelas (Vinte e Quatro Horas na Vida de Uma mulher, O Naufrágio de um Coração e A Confusão de Sentimentos)
1927 – Grandes momentos da humanidade. Cinco miniaturas históricas
1928 – Três poetas de sua vida. Casanova – Stendhal – Tolstói
1928 – Rachel pede a Deus
1929 – Joseph Fouché. Retrato de uma pessoa política
1929 – O cordeiro do pobre. Tragicomédia em três atos
1931 – A cura através do Espírito. Mesmer – Mary Baker Eddy e Freud
1932 – Maria Antonieta. Retrato de um personagem central
1934 – Triunfo e Tragédia de Erasmo de Rotterdam
1935 – A Mulher Silenciosa. Ópera cômica em três atos
1935 – Mary Stuart
1935 – 24 horas na vida de uma mulher
1936 – Pequenas Histórias Selecionadas – ‘A cadeia’ e ‘Caleidoscópio’
1936 – Castellio ou Contra Calvino. Uma consciência contra a violência
1937 – O candelabro enterrado
1937 – Encontros com pessoas, livros e cidades
1938 – Fernão Magalhães. O homem e sua ação (biografia)
1939 – Cuidado da Piedade
1941 – Brasil, País do Futuro (ensaio)
1942 – Histórias de Xadrez
1942 – O Mundo que Eu Vi – Memórias de um Europeu
1943 – Tempo e lugar. Ensaios e Palestras selecionados
1944 – Amerigo. A história de um erro histórico
1945 – Lendas de Estocolmo
1946 – Balzac. Romance de sua vida
1961 – Fragmentos de um romance
1982 – Ruído da transformação

Publicidade

Biografia de Stefan Zweig

Nascido em Viena no dia 28 de novembro de 1881, conforme mencionado, Stefan Zweig foi um conhecido escritor, poeta, romancista, jornalista, dramaturgo e biógrafo de família judia. Esse grande escritor era o segundo filho do industrial Moritz Zweig e de Ida Brettauer, filha de banqueiros. Devido à excelente condição financeira de sua família e à educação privilegiada, juntamente com seu irmão Alfred, Stefan teve uma infância privilegiada.

Na Universidade de Viena, Stefan estudou Filosofia e no ano de 1904 recebeu o título de doutor. Ainda que a religião judaica não tenha sido o centro de sua vida, Zweig sempre teve grande respeito pelos temas e pessoas de destaque no judaísmo. A invejável lista de amigos desse escritor incluía: Rainer Maria Rilke, Sigmund Freud, Rimbaud, Romain Rolland e Thomas Mann.

Em 1915, período em que estava ocorrendo a Primeira Guerra Mundial, Stefan Zweig se casou com a escritora Friderike von Winsternit e o casal foi viver numa casa em Salzburgo. Essa fase que durou 15 anos foi a mais intensa quanto à produção literária desse escritor. No começo da Primeira Guerra Mundial, o clima patriótico foi se espalhando pela Áustria e Alemanha, incluindo entre a população judaica.

Assim como muitos outros intelectuais da época, Zweig aderiu à causa germânica. Entretanto, não se alistou nas forças armadas e optou por prestar serviços no arquivo do Ministério da Guerra. À medida que o conflito foi tomando grandes proporções, com milhões de mortes por toda Europa, Zweig se tornou pacifista e defendia a unificação da Europa como a melhor alternativa para os muitos problemas do continente.

Após 15 anos de casamento, Stefan Zweig separou-se de Friderike von Winsternitz (sua primeira esposa) para iniciar uma união com sua então secretária Charlotte Elizabeth Altmann. Com a chegada de Adolf Hitler ao poder na Alemanha no ano de 1933, foi instalado o nazismo com suas conhecidas (e perversas) práticas antissemitas se alastrando pela Europa.

Diante deste cenário, em 1934 Stefan Zweig deixou a Áustria para viver na Inglaterra, entre as cidades de Bath e Londres. À medida que as tropas de Hitler avançavam pelos países europeus contrários à sua ideologia, Zweig mais uma vez optou por deixar o local em que morava e em 1940 mudou-se para Nova York. No dia 22 de agosto do mesmo ano, o escritor fez sua primeira viagem ao Brasil.

A vida de Stefan Zweig no Brasil

Enquanto ainda viviam nos Estados Unidos, Stefan Zweig e sua esposa Charlotte fizeram 3 viagens ao Brasil, onde ficaram encantados com a simplicidade das pessoas e belezas naturais do país. A partir da terceira viagem ao Brasil, o casal decidiu estabelecer-se na cidade de Petrópolis-RJ, sendo esse escritor recebido com bom grado pelos intelectuais e principais políticos brasileiros.

Ainda que distante de suas origens, essa época também marcou importantes produções literárias do escritor.
Bastante deprimido com os rumos que a Segunda Guerra estava tomando, principalmente com relação à intolerância e autoritarismo que se espalhavam pela Europa e pelo mundo, Zweig e sua esposa cometeram suicídio por meio de uma dose letal de barbitúricos, tendo o casal falecido no dia 23 de fevereiro de 1942 em Petrópolis.

Na casa onde o casal faleceu, atualmente funciona um centro cultural que preserva a vida e obra de Stefan Zweig.

Imagens: high-five-mag.com / blahcultural.com

Publicidade